Envelhecer com maturidade

Tempo de leitura: 8 minutos

É preciso buscar envelhecer com maturidade!
Quer as pessoas acreditem nisso ou não, sempre estaremos sujeitos a mudanças. Aceitar essa condição indica maturidade. Coisas que, em princípio, podem nos parecer ruins, no futuro, vamos olhar para trás e perceber que tudo valeu à pena. Tudo valeu à pena porque deixamos velhos hábitos para trás, se não fosse uma perda; reconhecemos nossos valores, se não fosse uma decepção; mudamos de cidade ou de país, se não fosse uma separação; lemos determinado livro que jamais pensaríamos ler em outra situação, se não fosse a dor; jamais perceberíamos a importância de algumas pessoas, se não fosse a falta de impedimento.

É certo que a vida é feita de escolhas, mas se não fossem as coisas negativas que nos acontecem, jamais optaríamos por melhorar. Se tudo fosse fácil e chegasse em nossas mãos sem que fizéssemos esforço algum, nada teria graça e nem faria sentido.

Nada é por acaso

Por isso, insisto em dizer que NADA É POR ACASO. As mudanças drásticas que nos acontecem, sempre têm um objetivo, que é o de nos fazer enxergar algo com mais clareza ou tomar atitudes diferentes diante da vida, ou até superar alguns medos e bloqueios. A grande verdade é que a vida está aí para ser vivida e para nos ensinar grandes lições, as quais levaremos para a eternidade.

Depois que percebemos quão grandiosa é a nossa vida, ela deixa de ser a mesma. Nossos olhos passam a enxergar o que está além de tudo o que é material. Vemos beleza onde talvez nunca fôssemos capazes de notar, deixamos de criticar e passamos a olhar para dentro de nós. Descobrimos que mais vale ser feliz do que ter razão, deixamos de ser medíocres e passamos a olhar cada ser humano com olhos novos.

Nossos olhares jamais serão os mesmos, quando notarmos que a vida nos é uma dádiva; e que a cada dia devemos agradecer pelo simples fato de abrirmos os olhos e ver a luz do amanhecer, seja da maneira que for ou como for. A verdade é que a felicidade precisa nascer dentro de nós, partindo das mudanças que a vida provoca. Isso se chama maturidade!

Envelhecer com maturidade

Envelhecer com maturidade exige algo que vai além do que faz com que muitos jovens, por não trabalharem o sofrimento de hoje, ou seus defeitos, corram o risco de serem “velhos” com esse sofrimento e defeitos ainda mais acentuados. Um exemplo é o de uma pessoa que foi, em sua juventude, repleta de inseguranças e ciúmes, será um “velho” ainda mais inseguro e com reflexos dessa insegurança ainda mais acentuados.

Uma forma de trabalhar essa insegurança ainda na juventude é procurando orientação psicológica. Mas, considerando que nem todos têm essa possibilidade, o ideal, primeiramente, seria o reconhecimento dessas falhas e, por meio de leituras e o esforço próprio, buscar a melhora. No entanto, devemos lembrar que essa melhora só ocorrerá com o reconhecimento do indivíduo que sofre com essas limitações ou quaisquer outras que o façam se sentir mal, junto às pessoas que o rodeia.

Muitos amigos podem tentar ajudar a pessoa com limitações a encontrar uma solução para viver melhor, mas somente essa pessoa será capaz de provocar mudanças; afinal, ninguém pode viver a vida de alguém, pode apenas ajudar a clarear as ideias ou dar orientações, esclarecimentos.

Não carregar a dor do outro

Precisamos ser conscientes de que não devemos sofrer o sofrimento do outro, ou seja, carregar a dor do outro nas costas, afinal, se o outro passa por aquilo foi porque escolheu esse caminho. Tudo o que colhemos hoje é fruto do que plantamos ontem. É a lei da vida. Não sofremos por acaso. Tudo é fruto de escolhas do passado, e o mesmo vale para a velhice. Só seremos velhos saudáveis, se tivermos trabalhado para isso desde a mais tenra idade, tanto no aspecto emocional, quanto no físico.

Comece a mudança agora mesmo

A questão é que, quanto mais cedo começamos as mudanças, com menos sofrimentos estaremos sujeitando nossa velhice. Então, comece a mudança agora mesmo! Digo isso porque, conforme a idade vai avançando, nosso metabolismo vai diminuindo. Vamos nos tornando menos ativos e cada vez mais lentos, deixando nosso dinamismo da juventude, a cada segundo que passa, de lado.

Cada um deve viver o que lhe cabe viver, aproveitar o que deve ser aproveitado, curtir cada momento de acordo com sua época. Caso contrário, há envelhecimento precoce e sofrimento intenso.

Sábios são os que aprendem que seus problemas devem ser transformados

Sábios são os que aprendem que seus problemas devem ser transformados, que suas derrotas devem servir de incentivo para buscar a vitória sem nunca desanimar, e que seus sofrimentos são trampolins para a mudança constante de percepção de mundo. Afinal, todo sofrimento nos serve de alerta para perceber que algo caminha errado em nossas vidas. Quem chegou até aqui, soube como envelhecer com maturidade.

Uma pergunta: quantas pessoas conseguem perceber isso com inteireza? Muitos sabem disso tudo, mas não colocam em prática. Então, do que adianta saber? Muitos velhos são, literalmente, velhos porque não conseguem reconhecer esses valores primordiais da vida. O ideal seria percebê-los e colocá-los em prática, pois assim, descobririam na velhice, uma oportunidade de rejuvenescer. Dessa forma, seriam capazes de reencontrar, na velhice, as várias faces que já tiveram na vida: a face jovem, criança e adulta; e questionar os erros, ensinando os acertos que a vida sempre proporciona. Basta apenas que busquemos novas perspectivas. Isso é também envelhecer com maturidade.

Reflita

Reflita: se, ao nascermos, já estamos caminhando para a morte, por que não vivermos a vida da melhor forma possível, aprendendo com os erros e envelhecendo com louvor, buscando acertar a partir dos erros dos outros?

Envelhecimento

A psicologia estuda o envelhecimento a partir do viés do desenvolvimento humano. Trata-se de um dos temas mais desafiadores desta profissão, principalmente após a segunda metade do século XX. Isso se deve às mudanças comportamentais decorrente das reflexões humanas acerca da existência, das convenções culturais, liberdade de expressão, e por aí vai.

Nesse sentido, o envelhecimento pode ser compreendido como um processo. Viver o aqui e o agora, algo que sempre insistimos em afirmar em qualquer fase de nossas vidas. Nem todos conseguem estar presentes no presente. A ansiedade advinda de preocupações intensas com o futuro nos impedem de viver o que temos para viver, e isso nos torna reféns de situações e/ou pessoas. E uma dessas situações, que dizem respeito ao problema principal da velhice é a proximidade do fim, o luto pela perda da própria vida que se aproxima: a morte.

Mudar a perspectiva

Mas, é preciso mudar a perspectiva da própria vida para envelhecer com maturidade. Nossos sofrimentos, na maioria das vezes, têm relação com a forma como pensamos a vida, ou seja, a interpretação que damos aos problemas, nossa forma de encará-los. É necessário olhar para os presentes que recebemos hoje,, e fazer cada dia valer a pena. “Reperspectivar” mesmo.

Eu sou o produto das escolhas que faço (ou que fiz). Dessa forma, como posso olhar para o hoje tornando meu futuro (que é daqui a pouco) o resultado de algo positivo que faço hoje. Eu posso pensar em várias possibilidades: o que eu posso fazer hoje que não fiz no passado? Ou o que posso deixar para quem fica das experiências que já vivi? O que eu gostaria de fazer e que ainda não fiz? Com quem eu gostaria de estar nesse momento e que também quer estar comigo? Quais são as coisas que mais gosto de fazer e tenho tempo?

A psicologia pode te ajudar com isso. A psicoterapia nos auxiliar a lidar com nossas crises de forma técnica e saudável. Procure ajuda especializada, se necessário.

Pensar na vida

Pensar na vida ao invés de pensar na morte te faz viver. É a vida (e não a morte) que te faz ser inteiro, e quem você é, além do mais, envelhecer com maturidade implica em olhar sempre o copo mais cheio que vazio, ou seja, olhar sempre o lado bom da vida. Pense nisso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *