Esse é o povo brasileiro!


Hoje quero falar de Brasil.

O brasileiro é o povo mais hospitaleiro e amigo que existe. Como ele, não há igual. O brasileiro, de tão especial, se difere de todos os povos de culturas europeias, orientais e, principalmente, norte-americanos.

Como não são todos os brasileiros que possuem condições financeiras para viajar ao exterior, e todos nós sabemos bem disso – a desigualdade é o que prevalece em nosso país, infelizmente – creio que seja importante, pelo menos, o brasileiro buscar o conhecimento, mesmo que tudo vá de encontro à sua realidade, a fim de que perceba quão necessária é a valorização do nosso país.

O problema é que a educação é deficitária e o pensamento lógico se torna raro. Geralmente, o domínio da informação fica nas mãos de poucos, e o conhecimento (arma poderosa contra as ilusões da vida, porque favorece o raciocínio, a razão), pertence a poucos, ou melhor, a maioria burguesa é que é a detentora.

A solução para todas essas dificuldades, certamente, é o investimento em educação. Mas, só notaremos o resultado em longo prazo, o que não ajuda muito nas questões atuais tão discutidas, entre elas, as fatais, como as relacionadas ao meio ambiente. Como é possível conscientizar uma população ignorante, pelo menos em sua maioria? Como é possível reverter o quadro poluente do planeta, se a maioria da população é desinformada ou não possui algo além do senso comum (o que, de certa forma, ajuda um pouco)?

Por mais difícil que seja, vamos raciocinar: estamos em 2010; é um ano eleitoral no Brasil e quantos de nós estamos cientes do nosso papel como cidadãos? Quantos de nós sabemos e/ou entendemos sobre política e sobre os candidatos às eleições? Quantos de nós temos consciência de que os candidatos desse ano possuem um nível que poderá causar grandes surpresas futuras para o nosso país? E quantos de nós temos a convicção de que o novo governante deverá se preocupar bem mais com a educação?

A maioria da população brasileira, infelizmente, é desinformada e não entende que deve pensar grande para poder promover uma “revolução” e não devemos deixar de pensar que grandes coisas foram feitas sim, apesar de muitos fatos terem sujado a reputação de Brasília, mas sabemos que dar o peixe sem ensinar a pescar não ajuda o povo a valorizar suas conquistas. A esmola nunca foi uma boa alternativa.

Veja o vídeo abaixo. Assista e analise o conteúdo:

 

 

Eu, com certeza, ri muito desse vídeo. Mas, na verdade, o brasileiro ri de sua própria desgraça. Não é verdade? Um caso sério se tornou cômico aos olhos do povo, que não sabe nem falar direito. Veja esse entrevistado. Ele é formado em Direito. Acredita? Cometeu todos os crimes possíveis contra sua própria profissão: primeiro não passou no exame principal, a OAB (acredito que depois deste vídeo, era de se esperar); segundo, assassinou sua própria filha; terceiro, cometeu todos os absurdos da língua portuguesa. Cheguei a pensar que este vídeo poderia ter sido uma apelação dos mesmos, mas, mesmo assim, seria um absurdo porque ele possui ensino superior completo. Complicado não é mesmo? Talvez seja a mentira imperando. Eles deram muitas voltas, se contradisseram e, consequentemente, cometeram erros na própria língua. Analisando por um outro lado, isso os entregou (mas, é um outro assunto para outra hora).

Acredito que esse seja apenas um exemplo do caminho que o Brasil vem seguindo. Tudo tem uma certa dose de “jeitinho brasileiro”, talvez, como a ‘lei de Gerson’,  para “tirar vantagem de tudo” ou se sair bem em qualquer situação. Isso está certo? Não é inversão de valores?

Pensa: já sabemos que quem não lê muito não escreve bem, mas o que fazemos para reverter essa situação? Assistimos TV!

Percebeu? Nos deixamos enganar pelo conhecimento de poucos, que tiram proveito de variadas formas de influência sobre a massa, que somos nós. Mas, vale lembrar também que livros no Brasil foram feitos também para a elite, ou como dizia Cazuza, para a “burquesia que fede”. Os livros no Brasil são vendidos a preços acima do “pagável”. Se formos levar em consideração a ‘lei de oferta e procura’ do capitalismo, pode-se dizer que pela procura ser pouca é que o preço aumenta. Estou errada? Na Europa, por exemplo, os preços são acessíveis. O valor de um livro lá é o equivalente ao de um caderno pequeno aqui, se não fizermos a conversão do euro para o real (apenas nos colocando no lugar dos europeus). Então, eu pergunto: por que vender um livro por 40 reais se podemos reduzir seu valor para um pagável, como 15, 20 reais ou até menos? Talvez essa questão referente ao capitalismo explique apenas uma parte da situação da “não leitura” no Brasil. O país é pobre e precisa de incentivos.

Certamente que, por ser um país de terceiro mundo ou emergente (como queiram denominar), o Brasil ainda possui muito a melhorar. Uma situação caótica que percebi ontem e que me fez parar para pensar, foi quando assistia ao programa “A Liga” na TV Band. Este apresentou matérias sobre prostituição, situação nas prisões e os problemas da tríplice fronteira (Brasil, Argentina e Paraguay). Ao final, chegou-se à conclusão, por meio da fala de uma das fontes, que “no Brasil entra de tudo com a maior facilidade do mundo, sem nenhuma fiscalização”. A mensagem final foi de que o Brasil recebe tudo de braços abertos, está com “as portas escancaradas” para o que der e vier. Vale a pena refletir essa questão. Quem são os responsáveis pela fiscalização do contrabando no país? Quem fiscaliza a prostituição de menores? Que providências deveriam e/ou poderiam ser tomadas, mas não são? E o que podemos fazer além de denunciar (já que denunciar nem sempre resolve)? Uma das entrevistadas afirmou que a solução para esses problemas de prostituição, por exemplo, seria a prevenção e a educação. Alguma novidade?

Talvez eu esteja escrevendo este “maravilhoso” texto em vão, porque a maioria dos brasileiros que precisava ler, não conseguirá. E a minoria que pode ler, talvez ignore. Mas, penso que o acaso não existe, e talvez o pouco dessa minoria possa ser capaz de fazer sua parte. Não tenho a intenção de mudar o mundo, mas se eu puder mudar o pouco do mundo ao meu redor, já será uma vitória.

Talvez o problema principal da maioria dos brasileiros seja o egoísmo em relação ao conhecimento, ou seja, os detentores da informação, da inteligência aprimorada, do conhecimento preferem guardar tudo consigo ao invés de passar adiante e, se passam algo adiante, não passam o essencial ou tudo. Estou errada? Creio que essa seja a forma mais ignorante de agir. Sem humildade, não chegamos a lugar algum. Antes de qualquer coisa, devemos ser humildes e pensar que quanto mais ensinamos, mais poderemos dividir os conhecimentos e ampliar os nossos, porque pessoas são diferentes umas das outras, com culturas e experiências distintas e, por isso, podem nos revelar um mundo de ideias jamais imaginadas por nós próprios. Já pensou por esse lado?

Tem mais: o fato de uma informação, ideia ou conhecimento ser transmitido a alguém, não faz desse alguém uma pessoa com um potencial capaz de ser melhor que você, porque cada um tem seu papel, sua função na vida e ninguém é melhor do que ninguém. Ninguém rouba o lugar de ninguém, e, se por um acaso, te pareceu que roubou, é porque o lugar não era realmente seu, mas dele. Tudo acontece do jeito que deve acontecer. É assim com a vida, com o conhecimento, com tudo, porque nossa natureza é a evolução, e a tendência é caminharmos em direção ao que é nosso sempre.

Mais do que sermos bons no futebol, belos no físico e naturais na comida; devemos ser repletos de conhecimento para que possamos competir de igual para igual com os demais países, porque, em matéria de humanidade, já vencemos.

Contatos:
(12) 9749-3912 / (12) 9104-6202 / (12) 8822-6263 / (12) 8195-2908

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s