Uma “novela” da vida real


Pensando no fim que a Glória Perez deu para este casal (Bianca e Zyah) na novela Salve Jorge, que terminou nesta sexta-feira (17/05/2013), decidi compartilhar uma história com meus leitores. Para não ter problemas, ela se chama Maria e ele, Alberto (nomes fictícios).

Maria conheceu Alberto em 2005, quando um amigo dela a apresentou para ele e outros amigos durante um encontro de jovens em um Centro Espírita que ela frequentava. Desde essa época, se tornaram grandes amigos. Ele passou a ligar sempre para ela, a fim de lhe contar sobre coisas de sua vida, falava de seus relacionamentos e amizades. Até que Maria se viu apaixonada, e incomodada com a situação, decidiu revelar seus sentimentos para ele.

Contou com as facilidade tecnológicas, e escreveu um e-mail. Ela pensou que, com esta atitude, ou poderia afastá-lo dela de vez, ou aproximá-lo, por isso, resolveu tentar. Não tinha nada a perder.

Ele se afastou. Não conversaram mais com tanta frequência como antes, embora continuassem se vendo na Mocidade Espírita. Maria começou a namorar no início do ano seguinte e, alguns meses depois, Alberto se declarou, dizendo que a amava. Ela passava por algumas dificuldades em seu relacionamento naquela época e se emocionou com aquela revelação, porém não teve forças para terminar tudo, pois também estava envolvida com seu então namorado.

Maria teve momentos que ficarão eternamente em sua lembrança, como o natal de 2006, em que passou com Alberto e amigos da mocidade, ajudando crianças carentes e compartilhando de sorrisos e alegrias  juntos, sempre admirando um ao outro em suas atitudes.

No início do ano seguinte, Maria se viu solteira em um dos inúmeros términos que teve com seu namorado da época. Alberto a procurou. Se encontraram em um show, que acontecia na mesma cidade em que moravam. Dançaram juntos e curtiram a companhia um do outro. Alberto decidiu que tentaria ficar com Maria naquela noite, porém, Maria ainda estava pensando muito em seu ex e, por isso, se sentia ainda como se estivesse com ele. E não conseguiu se entregar ao momento, apesar de sentir muita vontade naquele dia.

O tempo passou, Maria voltou com seu ex, e Alberto começou a namorar uma garota do mesmo centro que frequentava com Maria, a qual daremos o nome aqui de Thaís (também fictício).

No final do ano seguinte, Alberto ligou para Maria. E foi aí que perceberam que eles sempre se falavam sem que passasse um único ano que ficassem sem notícias um do outro. Eles passaram dias  conversando por telefone em 2008. Alberto estava trabalhando em uma empresa que o levava a viajar pelo Brasil afora, e, nesta época, ele estava alocado em Belo Horizonte. Quando estava no Espírito Santo, também continuou ligando para Maria. E falava de sua saudade, do que fazia e, principalmente, que estava solteiro.

Porém, Maria ainda namorava com a mesma pessoa. Mesmo assim, ela se sentia muito bem conversando com ele e, por isso, não queria colocar um fim nesses momentos.

amoreternoEles, finalmente, se encontraram em março de 2009. Foi quando conversaram por horas e o primeiro beijo aconteceu. Maria se sentiu feliz e ele também. No parque onde estavam, o ambiente era sereno, exatamente como a tranquilidade da sensação que os rodeava. No carro, enquanto se despediam, ele oferecia para ela a música “Apenas mais uma de amor“, de Lulu Santos.

No dia seguinte, ele ligou para ela pedindo para que ficasse com ele, definitivamente, mas ela apenas disse para que ele não pedisse para ela fazer essa escolha. Ela se sentiu muito mal quando desligou o telefone, mas sua falta de coragem não a fazia perceber o quanto estava no  caminho errado e a vida ia fazê-la sofrer muito por essa escolha. Tudo isso, porque a Vida só nos traz sofrimentos para nos mostrar que o caminho que estamos trilhando está longe do que é o correto.

Infelizmente, ela descobriu isso da pior maneira: seu namorado da época, no final daquele mesmo ano, terminou com ela, dizendo que não sabia mais o que sentia, e apareceu com outra pessoa dias depois. Ela chorou tudo o que podia, entrou em depressão e sua luz no fim do túnel foi uma viagem internacional, seguida de uma terapia.

Enquanto ela viajava, já em 2010, Alberto fez contato com ela pela internet. Maria contou que não estava mais namorando e que, dessa vez, era definitivo. Ele ficou surpreso por não saber disso e contou a ela que fazia um ano que havia voltado com Thaís. Maria sentiu um aperto no coração e decidiu marcar um encontro com ele, quando voltasse ao Brasil. Eles combinaram, porém, não foi possível porque Thaís ficava o tempo todo com ele, e eles acabaram se encontrando “ao acaso” no centro espírita, muito embora os dois não acreditem no acaso.

Se falaram, mesmo com Thaís presente. Maria entregou uma lembrança da viagem para ele sem se importar com a presença dela, e se foi. Depois disso, em outro dia, Maria foi surpreendida por Alberto, quando o pegou a admirando, com um sorriso no rosto, sentado na mesma direção dela no centro que frequentavam, sem que ela percebesse. Ela retribuiu o sorriso. Mas, depois disso, ficaram um bom tempo sem se ver.

Voltaram a se encontrar em 2011. Ele ainda namorava Thaís, mas Maria continuava solteira. Sem que percebessem, os papéis pareciam estar invertidos, mesmo que o sentimento dos dois permanecesse o mesmo. Se beijaram com muito amor, e a conversa deles era cheia de planos para o futuro, como se estivessem juntos oficialmente. Neste dia, até de casamento ele falou. Mas, Maria logo percebeu que ele estava um pouco confuso. Havia passado muito tempo, e ainda estava com Thaís. Mesmo assim, Maria decidiu tentar e sugeriu a ele que ficassem juntos. Mas, Alberto acabou dando a mesma resposta que Maria deu a ele há alguns anos: que ela não pedisse para ele escolher.

No ano seguinte, ele também a procurou decidido a marcar um encontro, porém, ele estava a, aproximadamente 4 horas de onde Maria estava morando e, devido às circunstâncias, acabou não dando muito certo esse encontro. E ele ainda estava com Thaís.

Ao longo desses anos, Maria viveu outras grandes histórias, que deram certo e que a fizeram sofrer também. Mas, nenhuma delas chegou a ser tão forte quanto a que viveu com Alberto. Eles sempre se procuraram, sempre pensaram um no outro. Sempre fizeram planos, sempre se quiseram. E, principalmente, sempre desejaram profundamente tornar real esse sonho de amor. E, apesar de todas essas dificuldades de concretização, eles nunca sofreram um pelo outro e, muito menos, cobraram nada um do outro. Simplesmente, se uniam e se apaixonavam cada vez mais quando estavam juntos.

Em 2013, Maria pensou muito nele. Decidiu procurar notícias de Alberto. Encontrou o Facebook dele e, para sua pouca surpresa, viu que ainda estava com Thaís. Decidiu ver  as fotos e procurar mais detalhes de como andava sua vida. E, com um aperto forte no coração, descobriu que estavam noivos!

Sem entender o que estava acontecendo e justamente pelo sentimento muito forte que mantiveram ao longo dos anos, Maria decidiu escrever um breve e-mail para Alberto, que respondeu em seguida, falando como andava sua vida, sem mencionar o noivado. Vendo que ele estava aberto e havia assinado com “imensas saudades”, Maria colocou todo o sentimento que carregava no peito ao longo desses 8 anos em outra mensagem de e-mail. Ela não esperava respostas, só desejava entender por que a história dos dois não teve o desfecho merecido.

Ele não respondeu, mas 2 semanas depois, ele a surpreendeu com uma mensagem no celular. Pediu desculpas por não responder o e-mail, mas queria muito conversar pessoalmente com ela. Trocaram mensagens naquele dia inteiro.

Se encontraram, e ele foi direto ao assunto, dizendo que havia mudado muito ao longo de todos aqueles anos e que sua então companheira não havia acompanhado sua evolução. Pensando em tudo o que Maria havia escrito naquele e-mail e, tendo conversado com sua família, naquele mesmo dia em que se viam, ele contou que havia terminado o noivado.

Maria se emocionou, mas se controlou. Perguntou a ele se tinha certeza da decisão tomada. Alberto disse que não, mas, que se sentia muito aliviado por ter tomado aquela decisão. Depois dessa revelação, conversaram muito. E o tão esperado beijo só aconteceu mais tarde, e era sempre como se fosse a primeira vez. Naquele mesmo dia, o amor dos dois foi concretizado em uma troca de carícias mais profunda do que nunca houveram trocado antes…

Não combinaram nada depois disso. A vida profissional de Alberto, embora tenha mudado bastante, tomou outros rumos que o leva a fazer inúmeras viagens.

Maria entende perfeitamente a dificuldade da situação e até chegou a sugerir que ele ficasse um tempo sozinho, porque o “estar só” nos leva a um conhecimento profundo de nós mesmos, e ela sabe disso por experiência própria. Mas, ela nem precisou completar sua sugestão, ele já havia pensado na mesma coisa – a transmissão de pensamentos entre eles também é muito intensa – e disse a ela que ele precisava mesmo desse tempo. Alberto não queria precipitar nada, disse a Maria que, para que ele pudesse voltar inteiro para ela, ele precisava ficar um tempo só, a fim de colocar suas emoções em ordem.

Maria entendeu perfeitamente, e foi assim que se despediram, depois de uma noite intensa de amor.

Não foi um dia comum. Foi um encontro inesquecível. Maria pensava assim. Ela se envolveu muito e sentiu que, dessa vez, era pra valer. Mas, mesmo assim, devido a tantos sofrimentos, decidiu pisar no freio. Foi com calma nas mensagens, nos e-mails, justamente para sentir como as coisas andavam. E, no final, tomou a decisão de deixar sua história nas mãos do tempo.

Maria sabe que a Vida sempre nos ensina, sempre nos mostra o caminho certo a seguir. Então, ela resolveu confiar nas ações do tempo. Nada acontece por acaso e, se for para ficarem juntos, ela sabe que o destino vai colocar os dois frente a frente novamente, sem pressões e nem sofrimentos.

Ela apertou o botão imaginário “stop” e decidiu seguir em frente apesar de. Fez isso justamente para que as lembranças de amor perfeito continuassem fortes em sua memória, e para que ela não estragasse todo o amor maduro que os une, com uma atitude precipitada.

Parafraseando a personagem Bianca da novela Salve Jorge, quando “desistiu” de continuar lutando por Zyah, “…foi melhor ter sumido para ficarmos apenas com a lembrança do que foi bom. Ele sempre vai se lembrar de mim e eu dele, mesmo que não fiquemos juntos“.

É assim que essa história termina…ou está apenas começando…

Independente do rumo que tomar, o importante é sempre seguir adiante, sem pensar no que poderia ser diferente, afinal, as coisas sempre são do jeito que devem ser e nada acontece por acaso.

Se você ama duas pessoas ao mesmo tempo e tiver que escolher só uma delas, escolha a segunda, pois se realmente amasse a primeira, não teria segunda opção“. (desconheço o autor)

Leia a continuação dessa história, clicando aqui.

Contatos:
(11) 97343-3177
SKYPE: michelly.antunes.ribeiro

Anúncios

Um comentário sobre “Uma “novela” da vida real

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s