Criança precisa se machucar!


superprotetorasÉ interessante observar o desenvolvimento de uma criança, que começa seus primeiros meses na dependência dos cuidados maternos. Após o primeiro ano, arrisca os primeiros passos e começa a desenvolver a fala, mas é no segundo ano, que se observa o início da independência. A criança já sabe o que quer e não depende mais tanto assim da mãe, a não ser para as necessidades básicas.

Fala o que pensa, define o que quer e vai aonde bem entende. Claro que possui suas dificuldades, mas tem uma autonomia que não se verifica em crianças menores. Está caminhando para o desenvolvimento da personalidade, e já da alguns sinais de possíveis características determinantes.

Gosto dessa fase porque é quando a criança da uma lição na mãe, mostrando a ela exatamente o que aquela frase “cria-se filhos para o mundo” quer dizer. A mãe se sente confusa, vivendo a distância entre “estou perdendo meu filho” e “que alívio!“. Quanta ilusão!

Penso que deve ser difícil àquelas que depositaram na criança o papel de suprir todas as expectativas frustradas. Age da mesma forma que em seus relacionamentos amorosos, inibindo, de forma inconsciente, o desenvolvimento da criança. É muita responsabilidade para uma pessoa, seja ela bebê ou adulto!

Mães super protetoras cabem bem nesse perfil, e devem tomar cuidado com suas atitudes, visto que crianças precisam de liberdade, apesar dos limites que devem existir. Elas devem cair, se machucar, perceber os riscos ao redor, sentir a dor; porque, mais tarde, vai ser a vida que mostrará isso a elas, e se não estiverem preparadas, sofrerão o dobro por si mesmas. Por isso, é importante elas aprenderem que cair faz parte da vida, para que se possa identificar onde o solo é mais favorável. E, mesmo assim, as instabilidades do percurso sempre vão nos encontrar na caminhada. A flexibilidade nasce a partir daí! Não podemos ter tudo o que queremos. E é importante que se aprenda essa lição desde cedo.

Quantos de nós não nos pegamos agindo feito crianças em determinados momentos? Quando não temos o que queremos, muitas vezes, “fechamos a cara” para a pessoa que nos contrariou. Acha essa atitude de adulto ou de criança?

Isso acontece principalmente com maridos, namorados, esposas, namoradas. As mulheres, por serem mais emocionais, são as que adoram dar esse “show”, na maioria das vezes. Claro que existem exceções, e não podemos generalizar, mas estou apenas exemplificando que uma vez que nossa infância tenha sido corrompida em algum momento, sofreremos as consequências mais tarde.

Imagina aquela criança que fecha a cara quando quer um brinquedo novo e você não pode dar naquele momento. Imaginou? É você quando não consegue atingir suas expectativas para um final de semana incrível em família e desconta no marido; quando decide usar um vestido que comprou há anos e percebe que não serve mais porque engordou; quando você decide não sair de última hora porque tem um daqueles ataques de “histeria” porque não se sente bem em nenhuma roupa; é você quando acha que seu namorado olhou para aquela moça bonita da loja e fica nervosa sem revelar a ele o motivo, como se ele tivesse a obrigação de saber.

Existem inúmeras outras situações que eu poderia listar aqui, mas não convém. Se você não se enquadra nessa questão, é ótimo porque significa que já amadureceu o suficiente para ser mais maleável. Muita gente nem sequer passou por nada disso e é extremamente feliz por deixar as coisas acontecerem, por não criarem expectativas e, principalmente, por não responsabilizarem o outro por seus próprios problemas.

É importante dar liberdade para a criança nessa fase, mostrar a ela que deve ser independente. O problema é que as mães, principalmente as de “primeira viagem” se apegam – talvez por terem sido “corrompidas” em sua infância também. Aí, aconselho que façam uma terapia ou que estudem melhor a respeito de si mesmas. Não estraguem seus filhos! Não os deixem sem saber como agir no futuro porque não foi dada a devida liberdade a eles no tempo certo, ou porque vocês fazem tudo por eles. Seus filhos não podem depender de vocês para sempre, mães! Um dia, eles vão se casar, mudar de casa, de cidade e até de país.  E aí?

Vocês podem estar pensando: “que autoridade ela pensa que tem para falar a respeito de filhos de nem os possui?” Realmente, mas, pela observação, estudo e experiência de vida, já da para aprender muita coisa. Afinal, eu sou filha.

Lanço um questionamento: Você consegue definir qual é o seu resultado hoje? Antes de responder, reflita que você já é um adulto com experiências próprias e capaz de mudar, com discernimento. Nessa história, não há culpados. Cada um agiu como julgou ser o melhor em determinado momento.

Agora, só depende de você, porque, sabendo de tudo isso, sua responsabilidade dobra.

Pense nisso!

Algumas mães super protetoras na TV:

cisnenegro

Filme Cisne Negro

asogra

Filme A Sogra

minhamaeeumaviagem

Filme Minha Mãe é uma Viagem

poramor
Novela Por Amor (Rede Globo)

insensatocoracao

Novela Insensato Coração (Rede Globo)

viveravida

Novela Viver a Vida (Rede Globo)

vidadagente

Novela Vida da Gente (Rede Globo)

salvejorge

Novela Salve Jorge (Rede Globo)

Contatos:
(11) 97343-3177
SKYPE: michelly.antunes.ribeiro

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s