Como lidar com o estresse

Tempo de leitura: 10 minutos

O estresse é um tema recorrente nas conversas diárias das pessoas, de maneira geral, o que levou a uma certa banalização dessa palavra. No entanto, mesmo sem um conhecimento aprofundado, as pessoas não se enganam, na maioria das vezes, quando se dizem estressadas. Neste texto, pretendo te ensinar um pouco como lidar com o estresse.

Como lidar com o estresse

Existe uma dificuldade em saber como lidar com o estresse justamente pelo fato de nem todos serem capazes de detectar o início do estresse negativo, bem como suas fases, o que leva as pessoas a negligenciarem sintomas conhecidos, podendo levá-las a desenvolver doenças graves em decorrência disso.

O estresse é decorrente de uma série de fatores que, se negligenciados, corroboram na exaustão, levando a doenças sérias, como a hipertensão e a depressão, por exemplo.

Outra questão importante de pontuar é que algumas pessoas são mais propensas a chegarem nesse ponto, e nunca é somente uma área da vida a responsável por isso, como a profissional, de acordo com o que muitas pessoas pensam. Praticamente todas as áreas são afetadas.

Mental health disorders and work related stress anxiety and depression symptoms icons set abstract isolated vector illustration

Os sintomas do estresse

Alguns dos sintomas do estresse podem ser mãos suadas, respiração rápida, taquicardia, tensão muscular e dores no estomago; bem como reações de irritação ou de raiva.  Porém, é de extrema importância explicar que estamos falando do estresse negativo, porque o estresse é algo natural, fisiológico e responsável por nos impulsionar a tomar iniciativas, iniciar projetos, e por aí vai.

Fisiologia do Estresse

A fisiologia do estresse mostra um estado antecipado ou real de ameaça ao equilíbrio do organismo e a reação dele, que visa restabelecer o equilíbrio, através de um complexo conjunto de respostas fisiológicas e comportamentais. A manutenção deste estado de equilíbrio, homeostase, é essencial para a vida e é constantemente desafiado por forças internas ou externas.

O cortisol é um hormônio produzido pelas glândulas suprarrenais, e é liberado em períodos de maior agitação, como ao acordar ou ao fazer exercício físico, por exemplo. Mas, as maiores quantidades deste hormônio são produzidas durante momentos de muito estresse, sendo por isso, conhecido como o hormônio do estresse.

Carga excessiva de cortisol

Agora, imagine seu organismo recebendo essa carga excessiva de cortisol (hormônio do estresse) de maneira constante…

Essa carga excessiva de cortisol liberada no organismo causa danos à saúde física e emocional do sujeito. E quando chega nesse ponto, o nível já é de exaustão.

As fases do estresse

As fases do estresse foram estudadas por diversos autores, que separaram tais fases de duas até quatro. De acordo com Marilda Lipp, uma grande pesquisadora do estresse, existem 4 fases: Alerta do estresse, Resistência do estresse, Quase exaustão do estresse, e Exaustão.

É importante reforçar que o estresse se desenvolve a medida em que não existe uma devida atenção dada aos sintomas, compreendendo a necessidade de tratamento por parte da pessoa estressada. Então, conforme o estresse vai sendo negligenciado, as fases do estresse vão acontecendo.

Fase de alerta do estresse

A primeira é a fase de alerta do estresse. Essa pode ser chamada de fase boa do estresse. É quando a pessoa produz muita adrenalina e fica de prontidão para enfrentar qualquer situação. Entre alguns sintomas que podemos citar, está a dificuldade para dormir por causa da adrenalina, libido alta ou muita energia, falta de fome, humor eufórico, dentre outros.

Fase de resistência do estresse

A medida em que o estresse aumenta, passa-se para a segunda fase que é a fase de resistência do estresse. Nesse momento, ocorre uma tentativa por parte da pessoa de se adaptar à situação, buscando restabelecer seu equilíbrio interno. Assim que ela consegue se adaptar, alguns dos sintomas anteriores são amenizados, porém, para que o corpo atinja esse objetivo, ele utiliza energia de outras regiões, causando outros sintomas, como a diminuição da libido; a produtividade e a criatividade voltam ao padrão normal; sensação de cansaço físico mesmo dormindo bem; a memória começa a falhar; sensação de se estar doente mesmo sem estar; pensa somente nos problemas que causam o estresse e não fala de outra coisa.

Fase de quase exaustão do estresse

Se o estresse continua aumentando depois da segunda fase, inicia-se a terceira, que é a fase de quase exaustão do estresse. Nesse momento, a tensão ultrapassa o limite que a pessoa é capaz de suportar, fazendo com que a resistência física e mental comece a diminuir. Ela alterna momentos de maior clareza de pensamentos, ânimo e produtividade – com esforço – com momentos de total desconforto e ansiedade.

E é nessa fase que algumas doenças começam a surgir. E pra citar alguns sintomas, a gente tem: insônia, perda de interesse por sexo, perda de produtividade, sensação de desgaste constante, prejuízo importante na memória, algumas doenças oportunistas começam a surgir, em função da queda da imunidade, sensação de ansiedade ou depressão constantes e perda de interesse pelas coisas.

Fase de exaustão do estresse

A fase de exaustão do estresse é a fase máxima que se pode atingir. Trata-se da fase mais negativa do estresse, momento de maior desequilíbrio. Os sintomas da fase anterior se agravam, e aparecem outros como algumas doenças graves: úlcera, pressão alta, diabetes, enfarte, doenças de pele.

Além disso, ocorre humor deprimido, perda de interesse pela vida, desânimo e, em algumas pessoas, até vontade de morrer.

Pensamentos associados ao estresse

Podemos dizer que existem alguns pensamentos associados ao estresse, os quais determinam um modus vivendi das pessoas portadoras de tais pensamentos.

O estresse pode estar relacionado ao excesso de demandas, de atividades que a pessoa faz, fatores que geram ansiedade, por exemplo. Porém, a raiz principal disso é a forma de encarar cada uma das situações. Eu sou mais ou menos ansiosa, de acordo com o tamanho das minhas preocupações, ou os pensamentos que estimulam ou não essa minha ansiedade, por exemplo.

Da mesma forma, se eu penso que a ociosidade é perda de tempo porque me sinto pouco produtivo e incapaz, a minha tendência será exagerar no trabalho; ou se eu penso que minha vida pessoal não está legal e me vejo como alguém incapaz de resolver essa situação, minha tendência pode ser a de ter comportamentos que ampliem o meu sentimento de insatisfação e aí é um passo para o estresse.

Alimentos anti-estresse

Geralmente, a ansiedade gerada pelo estresse leva as pessoas a comerem. As pessoas não consomem os alimentos anti-estresse. O que elas costumam procurar são os alimentos que supram sua necessidade imediata com a falsa sensação de prazer, que acabará em breve, em decorrência de hormônios relativos ao prazer liberados pelo chocolate, por exemplo. É comum as pessoas comerem doces e chocolate quando estão estressadas ou ansiosas. Porém, esses alimentos são estressores, ou seja, ampliam as carga de estresse da pessoa. Outros exemplos de alimentos que aumentam o estresse são: todos os tipos de doces, chocolates, comidas gordurosas e refrigerantes.

Assim, quando estiver com os sintomas do estresse, não os agrave comendo doces, prefira os alimentos anti-estresse, listados na tabela abaixo. Todos os alimentos que contenham Potássio, Magnésio, Vitamina B, e Vitamina C são anti-estressores.

Confira:

Confira a lista dos alimentos anti-estresse a seguir.

ALIMENTO BASE
Sementes de abóbora Magnésio, potássio
Amêndoas Magnésio, vitamina B
Avelã Magnésio
Castanha-do-pará Magnésio
Amendoim Magnésio, potássio
Sementes de Girassol Magnésio
Alcachofra Magnésio
Espinafre Magnésio, vitamina B
Aveia Magnésio
Beterraba Magnésio, potássio
Gérmen de trigo Magnésio
Iogurte Magnésio, potássio
Arroz Integral Magnésio
Abacate Magnésio, potássio, vitamina B
Ameixa Magnésio
Banana Potássio, Magnésio, vitamina B
Leite desnatado Magnésio, Cálcio, vitamina B
Suco de laranja Magnésio, potássio, vitamina C
Tomate Potássio, vitamina C
Lentilha Potássio
Mamão papaia Potássio, vitamina C
Ervilha Potássio
Suco de uva Potássio
Carne de boi Potássio, vitamina B
Batata Potássio, vitamina B
Sardinha Potássio
Abóbora Potássio
Cenoura Potássio
Pera Potássio
Tofu Potássio
Queijo Minas Potássio
Coco seco Potássio
Morango Vitamina C
Kiwi Vitamina C
Goiaba vermelha Vitamina C
Manga Vitamina C
Brócolis Vitamina C
Acerola Vitamina C
Pimentões Vitamina C
Melão Vitamina C
Folhas verdes Vitamina C
Couve-flor Vitamina C
Fígado Vitamina B
Salmão Vitamina B
Atum Vitamina B
Peito de Peru Vitamina B
Ovos Vitamina B
Feijão Vitamina B

Terapêutica do estresse

Sabendo como lidar com o estresse, as coisas tendem a ficar menos difíceis. Por isso, nada melhor como contar com a ajuda de um profissional, como o psicólogo, a fim de que se possa trabalhar com a terapêutica do estresse para reduzir os gatilhos estressores, os quais variam de pessoa para pessoa.

A Psicologia Cognitiva Comportamental trabalha com algumas técnicas, como a redução dos estressores para o sujeito. Como psicóloga, eu gosto de dar esse kit anti-estresse (com os alimentos) e também, o principal: auxiliar na mudança do pensamento ou dos pensamentos motivadores desse estresse. Algo relevante de comentar é que pessoas ansiosas colaboram para o agravo do estresse em suas vidas, e tendem a somatizar.

Também é válido comentar sobre a Síndrome de Burnout, doença detectada principalmente em ambiente profissional. Sabe aquelas pessoas que carregam tudo nas costas e ainda possuem o agravante de trabalhar em uma empresa que não pensa no bem estar do colaborador e o sobrecarrega? De forma bem resumida, essa seria a síntese dessa síndrome, sobre a qual podemos comentar em outro post.

A importância de saber como lidar com o estresse

Por tudo o que foi abordado nesse artigo, é relevante salientar para concluí-lo, a importância de saber como lidar com o estresse.

Saber como lidar com o estresse te fará tomar iniciativas de prevenção, priorizando sua qualidade de vida em detrimento de uma vida sobrecarregada, repleta de desgastes físicos e emocionais. Cuidar da saúde física e mental é de extrema importância como forma de prevenção.

Além disso, convido você a desenvolver mais sua consciência corporal a fim de mapear melhor seus sintomas físicos e emocionais impressos em você, na sua estrutura geral. Isso te fará ter um maior autoconhecimento com o fim de respeitar seus próprios limites, visto que para lidar com o estresse, torna-se imprescindível não ultrapassar as próprias barreiras físicas e emocionais, diariamente. Sua vida é muito mais importante que seu trabalho.

Por tudo isso, aprenda como lidar com o estresse. Comece fazendo pesquisas, depois procure ajuda, busque se conhecer, pergunte para as pessoas próximas a você o que pensam sobre seus excessos, ou que apontem quais são. Busque se conhecer profundamente para saber bem como lidar com o estresse em sua vida!

Bibliografia recomendada:

Marilda Novaes Lipp e Lucia Novaes Malagris, O Stress Emocional e seu Tratamento.In Bernard Range (Org) . São Paulo: Artes Medicas. 2001.
RANGÉ, Bernard. Psicoterapias cognitivo-comportamentais: Um diálogo com a psiquiatria. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2011. 800 p.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *