Quais são as 5 linguagens do amor?

Tempo de leitura: 13 minutos

Você sabe quais são as 5 linguagens do amor? Aliás, você sabia que o amor possui linguagens distintas que correspondem a personalidades diferentes?

Da mesma forma que você é composto por um sistema complexo de mecanismos que caracterizam quem você é dentro do contexto no qual está inserido, ou na família que o cuidou ou nos ambientes escolares que o formou, há também maneiras de comunicarmos que amamos alguém.

Assim, há linguagens distintas para dizermos do nosso amor pelo outro, e que se dominarmos essa linguagens, poderemos nos sair bem em uma conquista, ou na manutenção de um relacionamento.

O autor do livro “As 5 linguagens do amor“, Gary Chapman teve uma grande sacada quando escreveu essa obra. Ele detectou algumas características de personalidades, algumas mais inseguras que outras, outras mais auditivas, visuais, cinestésicas, a fim de compor grupos que recebem uma informação com formas peculiares, de maneira que possam se sentir realmente amadas.

E isso é natural no ser humano. Cada pessoa tem uma maneira de entender-se amada ou desejada. Por isso, ampliarmos o nosso vocabulário amoroso também compõe o repertório de uma pessoa inteligente emocionalmente.

Você se conhece?

Assim, antes de abrangermos o universo da comunicação amorosa e falarmos sobre quais são as 5 linguagens do amor, eu te pergunto: você se conhece?

Se você pensa em conquistar qualquer coisa na vida, precisa ter bem claro para você mesmo quem você é, quais são suas preferências, passatempos, o que mais gosta, qual o tipo de pessoa pela qual se sente atraída, quais são seus hobbies, e por aí vai.

Outra coisa bem importante é você compreender como você se comporta em momentos de tensão, de conquista, de apaixonamento. Digo isso, porque cada um desses contextos demonstram a sua capacidade de comunicação não verbal, ou sua capacidade de demonstrar emoções.

Sim! É extremamente importante sabermos como demonstrar o que estamos sentindo. Isso faz parte do seu repertório de habilidades sociais, bem como pode caracterizar você como inteligente emocionalmente.

Além do mais, isso te ajuda a qualificar suas relações, com assertividade e menos sofrimento gerado pela dúvida do que possa estar ocorrendo com os sentimentos do outro em relação a você.

Quanto melhor for sua maneira de expressar as suas emoções, ainda melhor será seus resultados em todas as suas relações.

Então, te pergunto mais uma vez: você se conhece?

Quais são as 5 linguagens do amor?

Tendo isso tudo em mente, podemos explorar quais são as 5 linguagens do amor, justamente porque se você já se conhece bem, pode tornar sua comunicação emocional ainda melhor, conhecendo a linguagem de outras pessoas.

Pensa em um auditório cheio de pessoas e a maioria falando em outros idiomas que não o português. Certamente, você se sentiria melhor e ampliaria possibilidades se soubesse, pelo menos, falar a língua da maioria naquele auditório. Não é verdade?

Com isso, você seria capaz de interagir com uma quantidade significativa de pessoas, conheceria culturas, ampliaria seu repertório, e ainda poderia fazer mais amizades.

O mesmo acontece quando você tem a possibilidade de dominar um novo idioma do amor, além do seu próprio. Aliás, você sabia que também possui uma linguagem específica do amor que o caracteriza?

Então, vamos falar sobre quais são as 5 linguagens do amor.

1- Palavras de afirmação

As palavras de afirmação caracterizam aquelas pessoas que precisam escutar que são amadas, ou que precisam ser encorajadas. Independente se são pessoas inseguras ou não, para elas, existe uma importância enorme em tudo o que é dito pelo outro, principalmente quando se trata daqueles que a pessoa ama.

Da mesma forma, esta mesma pessoa que precisa escutar também precisa dizer o que sente. Por isso, a contrapartida do parceiro é saber escutar atentamente e dialogar com esse sentimento.

…essa linguagem possui vários dialetos (…) Todos os dialetos têm em comum o uso de palavras para transmitir afirmação ao cônjuge. (…) Se quisermos comunicar o amor verbalmente, devemos usar palavras gentis. Isso tem a ver com nossa maneira de falar. (trecho do livro “As 5 linguagens do amor”)

Se essa pode não ser a sua linguagem do amor e for a do seu parceiro, arrisque-se em conhecê-la melhor para poder tornar a comunicação de ambos mais qualificada.

2- Tempo de qualidade

Há pessoas que entendem o amor como aquilo que já afirmamos em outro texto sobre proximidade de contato. mas não no sentido de toque físico (porque essa é outra linguagem do amor), mas passando mais tempo junto com a pessoa que ama, usufruindo de tempo de qualidade, seja em um bom restaurante conversando, ou simplesmente em um ambiente com amigos, desde que os dois estejam interagindo.

Perceba que, nesse caso, há uma necessidade grande por interação, de troca mesmo. Sem que isso ocorra, a sensação, para essas pessoas é de como se não houvesse interesse ou amor.

Não basta estar na mesma sala com alguém. Um ingrediente fundamental para oferecer tempo de qualidade ao cônjuge consiste em dedicar-lhe atenção focada, especialmente em tempos de tantas distrações. (…) Tempo de qualidade não significa que precisamos passar nosso tempo juntos olhando nos olhos um do outro. Significa fazer algo juntos e dedicar atenção completa à pessoa. A atividade é secundária. O importante, em termos emocionais, é passar tempo dedicado ao outro. A atividade é o veículo que gera o sentimento de proximidade. (trecho de “As 5 linguagens do amor”)

Entendeu por que já apareceram pessoas em sua vida que exigiram sua presença? Claro que não é regra, mas avalie se não era essa a linguagem do amor dessa pessoa e você não soube comunicar isso.

3- Presentes

Há pessoas que demonstram seu amor presenteando. Não tem nada a ver com ser interesseiro, mas tem a ver com a presença e as palavras não serem suficientes para demonstrar a afeição pelo outro a ponto de ter que materializar em algo simbólico.

Vou dar um exemplo pessoal: certa vez, namorei uma pessoa cuja linguagem do amor era Presentes. Eu não tenho essa linguagem como primária (se você ler o livro, entenderá que podemos ter até 3 linguagens do amor prioritárias, sendo apenas uma preponderante, mas as outras servem para compensar em uma relação).

No meu caso, as minhas 3 linguagem preponderantes, na exata ordem, são “Atos de serviço”, “Tempo de qualidade” e “Toque físico”. Assim, precisei usar um pouco de uma das linguagens que possuo e que era convergente com a dele, atos de serviço por exemplo, a fim de poder comunicar meus sentimentos por ele na ocasião.

Da mesma forma, precisei compreender a necessidade dele de presentear e desenvolver outra linguagem complementar, que era a que ele também possuía: palavras de afirmação.

Com isso, você pode perceber a necessidade do autoconhecimento e do conhecimento do outro com o qual nos relacionamos a fim de verificarmos o quanto temos em comum, e nos esforçarmos por sermos melhores, se quisermos fazer a relação dar certo. Assim, o “pior” que vai acontecer se não permanecerem juntos, é você ampliar o seu repertório de linguagem do amor.

O presente é um símbolo visual do amor. A maioria das cerimônias de casamento inclui o ato de dar e receber alianças. (…) Se descobrir que a linguagem do amor primária do seu cônjuge são presentes, talvez venha a entender que comprar presentes é o melhor investimento a fazer. Você investe  em seu relacionamento e enche o tanque de amor emocional dele. Com um tanque de amor cheio, ele lhe retribuirá amor emocional numa linguagem compreensível para você. (…) Existe um presente intangível que às vezes fala mais alto que um presente material. Eu o chamo de presentear a si mesmo ou presente da presença. Estar presente quando seu cônjuge precisa é uma atitude de grande valor a alguém cuja linguagem do amor primária são presentes. (“As 5 linguagens do amor”)

Essa linguagem confesso que ainda não domino. Mas, estou aprendendo.

4- Atos de serviço

A linguagem do amor referente a atos de serviço tem relação com fazer coisas que sabemos que a pessoa amada gostaria que fizéssemos. Ou seja, procura agradar quem ama  por meio do serviço: preparando uma refeição, lavando a louça, ajudar com os cuidados da casa, para citar alguns exemplo.

Da mesma forma, a pessoa se sente amada justamente quando o outro se prontifica a colaborar na limpeza da casa, proporcionando cuidado, no sentido de se preocupar com a ordem das coisas ou da própria pessoa, pensando se está com fome e tendo a proatividade de trazer algo para a pessoa.

Há outra vertente para essa linguagem que faço questão de reforçar, porque também diz respeito a mim: a frase uma ação vale mais que mil palavras. Para essas pessoas, uma atitude fala muito mais do amor do outro do que dizer eu te amo. Ou seja, demonstre seu amor com atitudes. Aja mais, fale menos é o lema principal dessas pessoas, e ilustra a linguagem do amor delas.

O aprendizado  da linguagem de atos de serviço exige que reexaminemos nossos estereótipos dos papéis de marido e esposa. Esses papéis estão em constante mudança, mas modelos de nosso passado podem perdurar. (…) Muitos atos de serviço envolvem tarefas de casa, mas nem todos. (…) As críticas feitas por seu cônjuge  sobre seu comportamento te oferecem  a indicação mais clara de qual é a linguagem do amor primária dele. (“As 5 linguagens do amor”)

É possível compreender a exigência de algumas pessoas dentro desse contexto de linguagem do amor. Porém,  considerando que, em uma relação madura, há mais concessões que exigências, é possível pensar em um relacionamento sem esses atritos, desde que ambos se comprometam a conhecer um  ao outro e fazer dar certo.

5- Toque físico

Grande parte das pessoas possuem essa linguagem do amor. Porém, quem possui essa linguagem primária necessita muito mais do que a presença do outro, mas o toque físico.

O toque físico abrange o abraço, o beijo, o sexo. É assim que essas pessoas se sentem amadas. Parece um tanto quanto óbvio pensar que quando estamos com quem amamos, precisamos dessa linguagem para a sobrevivência dessa relação. No entanto, pense que se essa não for sua linguagem primária, não será o primordial para você.

No meu caso, como já mencionei antes, as atitudes falam muito mais do amor que a pessoa sente do que o toque físico, por exemplo. No entanto, é a minha terceira linguagem. Dessa forma, também é uma linguagem bem importante para mim, mesmo que em grau inferior.

Os toques amorosos podem ser explícitos e exigir sua total atenção, como um carinho nas costas ou uma preliminar sexual, culminando no ato em si. Por outro lado, os toques podem ser implícitos e exigir apenas um instante, como colocar a mão no ombro do cônjuge enquanto você enche sua xícara de café ou roçar seu corpo no dele enquanto passa pela cozinha. (…) Ao descobrir  que toque físico é a linguagem do amor primária do cônjuge, sua imaginação será o único limite quanto às maneiras de expressar amor. Inventar novos jeitos e locais onde tocar pode ser um desafio excitante. (“As 5 linguagens do amor”)

Na dúvida, experimente o toque. Faça testes com a pessoa com quem você se relaciona. Faça perguntas para descobrir mais sobre suas preferências.

No livro “As 5 linguagens do amor”, o autor oferece dois testes, uma para os homens e o outro para as mulheres realizarem a fim de descobrirem quais as suas principais linguagens do amor.

Use as 5 linguagens do amor para aprimorar sua relação

Use as 5 linguagens do amor para aprimorar sua relação. Sabendo quais são as 5 linguagens do amor fica mais fácil de desenvolvê-las.

O livro de Gary Chapman sugere técnicas para desenvolver cada uma das linguagens, mesmo que não seja a sua preponderante. O autor é um religioso, porém, essa sua obra fez tanto sucesso que, inclusive, é utilizada por alguns psicólogos como complemento em terapia de casais.

Para mim, é um tanto quanto lógico que conhecer quais sãos as 5 linguagens do amor te ajuda a qualificar suas relações, de maneira geral, não somente os relacionamentos afetivo-sexuais. Digo isso porque a principal conclusão que tirei com a leitura dessa obra foi que, com esse conhecimento, no mínimo, você desenvolverá a empatia.

A empatia em um relacionamento

Quando você desenvolve a empatia em um relacionamento,  você colabora com a geração de rapport com o  outro, porque o outro entende que você sabe falar a mesma linguagem que ele, independente de você saber ou não quais são as 5 linguagens do amor.

Se você saber realmente escutar o que o outro tem a dizer, já estará um passo a frente de muitos, o que beneficiará essa relação.

Agora, se você aprimora essa qualidade, conhecendo quais são as 5 linguagens do amor, passa a criar intimidade ainda maior para com o parceiro, o que favorece ainda mais a união do casal. Ou seja, você sai na frente, e ainda fica bom para ambos.

Então, ficou clara a importância de você saber quais são as 5 linguagens do amor? Consegue visualizar que saber quais são as 5 linguagens do amor te permite aproximar mais das pessoas? Já identificou as  suas linguagens predominantes?

Invista no seu autoconhecimento

Antes  de pegar o livro, tão divulgado nesse texto, e aprofundar para conhecer ainda mais sobre quais são as 5 linguagens do amor, invista no seu autoconhecimento.

Investir no seu autoconhecimento te ajudará a entrar em contato com mais facilidade com cada uma dessas linguagens, pois irá colaborar com a sua autodescoberta facilitando a geração de empatia com o outro.

Nesse sentido, a psicoterapia pode te ajudar. Desenvolva ferramentas próprias para conquistar alguém, mas antes disso, fortaleça-se, esteja coerente com sua essência, sendo quem você é, porque somente assim, você abrirá portas para encontrar pessoas afins. Isso é o primordial, antes mesmo de saber quais são as 5 linguagens do amor.

Bibliografia recomendada:

CHAPMAN, Gary. As 5 linguagens do amor. 3 ed. São Paulo: Mundo Cristão, 2013. 208 p.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *